Um poema acontece no meio de uma tempestade medonha perante o horror mesmo dissimulado da existência humana.
É um processo de libertação de amarras, esquecer o que nos incutiram na mente programando-nos, e avançar sozinho, porque a solidão é parte integrante do poeta. O poema rodopia em redor do ilimitado, do informe, sem norma, do inconstante, do movediço, em ligação com outros espaços moventes. Sobe até onde os pássaros voam, instala-se até onde os deuses guerreiam, afunda-se na espeleologia até onde os vermes se escondem.
O poeta flutua na sua voz, dá o grito da revolta e liberta-se dos grilhões da sociedade inventados nos chifres dos adoradores de esmeraldas!

luz

luz
A luz que ilumina a alma deve conduzir os passos...

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Viagem sem regresso



Abandono os céus sob os quais a espécie humana
Se desflora a si mesma
Onde os mundos da agonia se cruzam
Se enforcam se abusam
Deixo sem vontade de comunicar com o transitório
Com o conflito o sangue o tresloucado o fantasmagórico
Levanto asas rumo à profundidade cósmica
Finalmente descanso hiberno para o invisível
Pois o estado terreno é música cortante
Gesto de amante choro de criança
Grito de mãe bofetada ciúme inveja posse azedume

O medo comprime a criação e o homem
Na guilhotina da paranoia
O sonho expande e transporta as criaturas
Cada vez mais longe para lá
Da pluralidade dos submundos estelares
Por isso não volto!
Deixei de entender a língua afiada dos homens
Corto as amarras sigo outra rota
Rumo à galáxia que não existe
Nunca se alcança
Tal como a linha do horizonte
Que falseia a perceção
Saltito então em forma de vaga-lume
Em campo aberto multicolor melodioso
E eternamente manso

Sem comentários:

Enviar um comentário